Sadness is not being able to phone your mom.

07-12-2016

15 de janeiro de 2015

O teu número era o primeiro da lista. Usava 3 a's antes do mummy porque se tivesse que perguntar "onde estás?", ia perder 3 milionésimo de segundos menos do que se tivesse que procurar o teu número na lista. Às vezes até o marcava. Sempre disseste que decorar o teu número de telemóvel era obrigatório para que, em qualquer circunstância, te pudesse encontrar outra vez.
Sempre que tu me ligavas o Stewie gritava "mom" repetidas vezes. Ris-te tanto no dia em que te mostrei qual era o teu toque no meu telemóvel. Eu ria cada vez que o toque dava, mesmo que deduzisse que nem todas as vezes que me ligavas era porque fazia algo bem. E ainda bem que assim era. Também ficavas engraçada chateada.
Ultimamente, ligavas só porque sim. Principalmente aos fins de semana. Estavas a uns meros km's mas ligavas para eu ir. Dizias que a praia me fazia bem e que tinha que dar rodagem ao carro. Ou que aí chovia muito e o mar quase que estava no passeio. (Eras uma pessoa entusiasta. Tal como eu...)
Dizia-te sempre "amo-te muito mamã". E quando estávamos chateadas (porque também fazia parte) não dizia mas sabia que mais tarde te ia enviar uma mensagem a dizer que te amava. Até tu sabias que eu ia fazer isso.
Desde criança que te escrevia muitas cartas, que te mandava muitas mensagens, que tinha necessidade de te dizer muito, mesmo que por vezes não dissesse nada (até de jeito).
Sempre tive medo só de imaginar mas nunca acreditei que pudesses deixar-nos tão cedo.
Acima de tudo, não importava o motivo, a hora, o estado de espírito... Uma certeza infinita e errada eu tinha: a tua voz ia estar sempre do outro lado da linha "Então filha?".
Hoje ligava-te para o "céu" só para por a conversa em dia e te ouvir rir. (Oh o teu riso mamã...) Perdoa-me não conseguir rir hoje. Perdoa-me do fundo do coração isto ser assim. É só hoje! É que sinto muito a tua falta. É que há um ano atrás tudo estava a acabar (ou a começar, como dirias tu). É que eu ainda não me habituei. É que ainda dói. É que... Para sempre te hei-de amar! Um beijinho mamã.

7 de dezembro 2016

Todas as palavras continuam a fazer o mesmo sentido.
Todos os sentimentos continuam cá.
No entanto, hoje talvez seja um bocadinho mais feliz, consiga sorrir outra vez e tenha a certeza que estás aqui, comigo, mesmo que doa não te ver.
Boa noite mummy, Diz aí ao "boss" que manda nisso tudo para enviar uma estrelinha da sorte e conseguirmos conquistar este tão importante feito. :)
Love you. Miss you. Always.
#mummy